Travessia Ilha do Arvoredo 2012

EDIT: Coloquei mais fotos pra vocês. 😉

Ja que minha vida é baseada num historia real, esta travessia foi lendária.

O objetivo desta prova é nadar todos os 25km da Ilha do Arvoredo até a cidade de Bombinhas. A prova pode ser feita, em revezamento, por grupos de até 5 pessoas ou solo, onde o nadador nada tudo sozinho, sem poder subir no barco.

Tae o percurso da prova!

Ta, mas comecemos do começo.

Eu e a Marilia saimos de casa na 6a feira, rumo à Ilha de Santa Catarina, cidade de Florianópolis, onde encontrariamos o restante da nossa equipe: o nosso coach Marcel (e familia) e o Alejandro.

O cara da locadora de carros ja estava a nossa espera, e depois de concluidos os trâmites, partimos rumo à Lagoa da Conceição para almoçarmos as ja famosas ‘sequências de camarão’, basicamente, diferentes pratos de camarão e um prato completo de peixe no final. Uff, fiquei espanturrado de tanto comer.

Depois do almoço o Marcel ficou em Floripa e o resto da trupe (eu, Marilia e Alejandro) entrou no carro e pisou fundo até Bombinhas.

Chegamos em Bombinhas ja a noite, cansados, e o que encontramos não era muito animador: uma cidade vazia, com vários estabelecimentos fechados e um vento frio de bater o queixo.

Fomos até a pousada, que tinhamos reservado, fizemos check-in, mas tivemos algumas surpresas.

O preço do hotel era bem barato, só que não incluia café da manhã e nem toalhas nos quartos. Depois de uma boa conversa com o dono da pousada, conseguimos toalhas pois ele nem avisou sobre isso quando reservamos.

Bom, voltando. Vestimos uma roupa mais quente (eu, por exemplo, estava de bermuda e camiseta, afinal estava em Floripa) e fomos comprar nosso café da manhã e buscar um barzinho pra tomarmos um chopp antes de deitar.

Até encontramos um, mas que tava bem vazio e, juntando com o frio que fazia, tomamos apenas duas garrafinhas de Baden Baden e voamos pro hotel pra tomar um banho quente e dormir. Detalhe que o chuveiro queimou e tomamos banho frio pelo resto da estadia. Tudo bem. Acontece e fortalece.

Sabado de sol! E que sol. Quente, com um céu azul de brigadeiro. Pulamos cedo da cama e logo depois do café da manhã partimos pra explorar as redondezas.

Fomos pra praia de Quatro Ilhas (de onde da pra ver a Ilha do Arvoredo e o tamanho da encrenca) e pra praia Retiro do Padre, uma prainha escondida e cheia de pedras, mas muito bonita.

Paramos na praia central de Bombinhas e nos acomodamos: alugamos cadeiras, um guarda-sol, pedimos uma cervejinha muito bem gelada, uma porção de iscas de peixes e relaxamos.

Aproveitamos pra testar a água e nadar um pouco. Veredicto: água fria, mas não insuportável, transparente, salgada e molhada 😉

La pelas tantas (acho que eram umas 16:00), resolvemos ‘almoçar’ num restaurante a beira mar e logo depois o Marcel chegou e veio almoçar com a gente.

O simpósio técnico, da travessia, ia ser as 18hs num restaurante local, então saimos da praia, tomamos um banho e rumamos pro encontro.

Lá deu pra ver que a coisa é séria. Vários atletas presentes, varios avisos sendo repassados pela organização, varios barqueiros e salva vidas se reunindo, mapas sendo analisados, dicas sendo anotadas, ansiedade no ar e adrenalina nas veias.

Saimos de lá sabendo que ia ser uma aventura e tanto. Daquelas que geram historias que serão lembradas por anos a fio. Daquelas que serão contadas aos mais novos com ares de façanhas.

Depois do simpósio, fomos pro supermercado comprar todos os mantimentos que levariamos no barco. E compramos muita coisa mesmo, afinal estavamos nos planejando pra passar 9horas num barco e nadando.

Partiu dormir que o dia seguinte seria looongo.

2:45 da manhã acordamos, nos trocamos, arrumamos as malas e fomos preparar o café da manhã pois o nosso quarto seria o ponto de encontro do resto da galera.

Devidamente alimentados, trancamos nosso quarto, colocamos nossas coisas no quarto do Marcel (o check-out seria as 12:00 e não estariamos presentes), entulhamos o carro de gente e mantimentos e fomos até o trapiche onde embarcaríamos.

3:45 da manhã estavamos, feito muambeiros, andando pelo trapiche buscando pelo barco que nos levaria até a Ilha do Arvoredo. A organização chamou nossa equipe e indicou um barco bem bacana, desses de pescador, mas com um teto e bastante espaço.

Aguardamos a autorização de partida e começamos a navegar as águas que dali a pouco nadariamos.

A ida até a Ilha demorou, mais ou menos, uma hora e meia, duas horas, e chegamos la por volta das 6:30 da manhã. Detalhe que o mar estava bem agitado durante toda a ida e continuou assim por boa parte da volta.

Fui o primeiro a cair nas aguas frias do oceano e, conforme tinhamos combinado, nadei por uma hora, o que deu +/- 2.500m. O Marcel foi o segundo e pegou um corrente que o atrapalhou bastante, tanto que não desenvolveu bem e tambem nadou 2.500m em uma hora.

Na final da sua hora de natação, bem quando ia fazer a transição com o Alejandro, nosso coach passou mal (por causa do mar agitado) e subiu ao barco bem mareado. Ficou com estomago embrulhado por um bom tempo. O mesmo aconteceu com o Alejandro, ao sair da água e entregar a natação pra Marilia. Tanto que ele capotou e dormiu pra tentar curar o enjôo.

Ficamos até com medo de não conseguirmos completar a prova por causa das correntes e pelos colegas debilitados, mas resolvemos ver até onde conseguiriamos ir.

A Marilia nadou muito bem (2.500m) e quase foi bicada por uma gaivota enquanto nadava.

Decidimos diminuir o tempo de nado e quando eu cai pela 2ª vez, nadei por 1/2 hora (1.500m) e todos fizeram o mesmo. Acontece que conseguimos sair das correntes e o Marcel e o Alejandro tiraram a diferença, nadando 2.000 e 2.500m, respectivamente, em meia hora.

Nessa hora sabiamos que conseguiriamos e quando cai na água pela 3ª vez, fiz o percurso de entrada na baía de Bombinhas! Ja dava pra ver a cidade e as boias de marcação, indicando o caminho pro pórtico de chegada! Iamos conseguir completar dentro do tempo regulamentar!

Quando faltavam menos de 1.000m todos nós pulamos na água pra chegarmos juntos na chegada. O turno da vez era do Alejandro então ele deu um tiro pra chegar logo e parar o cronometro da nossa equipe e, feito isso, voltou pra chegar, de novo, com toda a equipe no final.

Pura alegria! Conseguimos completar os 25km em 6 horas e 50 minutos, e ficamos em 3º lugar na categoria ‘revezamento de 4 pessoas’.
Teve até entrevista pro jornal local.

Almoçamos (eu tava morrendo de fome). Eu e a Marilia ainda voltamos pro hotel, nos arrumamos, pegamos nossas coisas, nos despedimos da galera e voltamos pra Floripa pra pernoitar, afinal nosso vôo sairia na 2a bem cedinho.

Galera, esta é foi uma das provas mais legais que ja participei. Espero que vocês, que lêem este blog, possam um dia sentir a emoção de nadar em mar aberto e completar uma prova dessas! Vale todo esforço e todos os treinos.

Fiquem com as fotos dessa aventura:

Esse post foi publicado em Esportes. Bookmark o link permanente.

4 respostas para Travessia Ilha do Arvoredo 2012

  1. Flávio Toi disse:

    Marcos,
    Parabéns pela conquista e exemplo de perseverança, fiquei muito contente de encontrar seu blog na internet depois de ter visto você chegando.
    Abçs
    Flavio Toi

  2. Pingback: Video de Bombinhas 2012 | De muletas pelo mundo

  3. Pingback: Travessia Ilha do Arvoredo CorreNadaPedala

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s